• Coisas que eu vi: Gente que eu conheci

    Humberto Mesquita

    Alameda Casa Editorial

    Este livro é um retrato do que de mais importante aconteceu no Brasil no último meio século. Aqui estão reunidas histórias contadas por quem as viu acontecerem. Mais do que isso: por quem, no exercício do jornalismo, tinha a missão não só de relatá-las no calor do momento, mas também de registrá-las para o futuro, como numa cápsula do tempo, daquelas em que se enviam mensagens para as próximas gerações. Ator e narrador de acontecimentos que marcaram nossa história recente, Humberto Mesquita viaja de um golpe a outro. Vai do golpe civil e militar de 1964, que derrubou João Goulart e mergulhou o Brasil em duas décadas de escuridão, ao golpe civil, militar, parlamentar, jurídico e midiático de 2016, que destituiu Dilma Rousseff e abriu caminho para a ascensão do fascismo em nosso país. Nesses dois golpes, ambos contra governos que promoviam a redução das desigualdades e a ascensão da classe trabalhadora, a história imita a história: apoio irrestrito dos grandes meios de comunicação, destruição de direitos duramente conquistados, aumento da desigualdade social, destruição do patrimônio nacional e a volta da censura e da corrupção desenfreada, além da perseguição implacável aos adversários, que fez de mim prisioneiro político, sem nenhuma prova de qualquer crime cometido. Se o enredo é o mesmo, muitos dos personagens também se repetem. É o caso da Globo e a sua eterna vocação para o autoritarismo, como observa Mesquita, ao narrar os últimos suspiros do regime militar: "A TV Globo e o jornal O Globo, que foram os maiores alicerces para implantação da ditadura no Brasil, eram a única fatia a resistir aos apelos dos que queriam a volta da democracia". Humberto Mesquita trabalhou nas principais emissoras de rádio e televisão do Brasil. Foi repórter e apresentador de importantes programas de debate político, como o saudoso Pinga Fogo, da TV Tupi. Não por acaso, portanto, pelas páginas deste livro trafegam alguns dos principais personagens da história de resistência ao autoritarismo, a exemplo de Paulo Freire, Miguel Arraes, Leonel Brizola, Francisco Julião, Dom Helder Câmara e Dom Paulo Evaristo Arns, entre tantos outros. Há espaço também para momentos felizes, como o dia em que Gonzagão e Gonzaguinha, pai e filho rompidos há muito anos, fizeram finalmente as pazes, num reencontro, aliás, promovido pelo próprio Mesquita. Mas não há como negar que Coisas que eu vi é antes de tudo um livro sobre a tragédia brasileira, como reconhece o próprio autor: "Fazer jornalismo é fazer história. Mais de cinquenta anos percorremos essa estrada, e nesse percurso assistimos períodos de muita adversidade e períodos bons para o Brasil. Por incrível que possa parecer, as adversidades marcam mais, mexem mais e te ferem mais. Quando se fere a democracia, o povo é atingido e você se envolve no mesmo clima de tristeza, e ainda mais quando se é ator e narrador desses acontecimentos". Este livro é uma espécie de cápsula do tempo. Deixa-nos com a impressão de que se conhecêssemos de antemão os fatos que ele relata, se os principais personagens das páginas que se seguem tivessem lido e relido com atenção o seu conteúdo, teríamos talvez evitado que a história se repetisse, de novo como tragédia. Luiz Inácio Lula da Silva
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 283
    Peso do arquivo 2.18MB
    Ano da publicação 2020
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Este livro é um retrato do que de mais importante aconteceu no Brasil no último meio século. Aqui estão reunidas histórias contadas por quem as viu acontecerem. Mais do que isso: por quem, no exercício do jornalismo, tinha a missão não só de relatá-las no calor do momento, mas também de registrá-las para o futuro, como numa cápsula do tempo, daquelas em que se enviam mensagens para as próximas gerações. Ator e narrador de acontecimentos que marcaram nossa história recente, Humberto Mesquita viaja de um golpe a outro. Vai do golpe civil e militar de 1964, que derrubou João Goulart e mergulhou o Brasil em duas décadas de escuridão, ao golpe civil, militar, parlamentar, jurídico e midiático de 2016, que destituiu Dilma Rousseff e abriu caminho para a ascensão do fascismo em nosso país. Nesses dois golpes, ambos contra governos que promoviam a redução das desigualdades e a ascensão da classe trabalhadora, a história imita a história: apoio irrestrito dos grandes meios de comunicação, destruição de direitos duramente conquistados, aumento da desigualdade social, destruição do patrimônio nacional e a volta da censura e da corrupção desenfreada, além da perseguição implacável aos adversários, que fez de mim prisioneiro político, sem nenhuma prova de qualquer crime cometido. Se o enredo é o mesmo, muitos dos personagens também se repetem. É o caso da Globo e a sua eterna vocação para o autoritarismo, como observa Mesquita, ao narrar os últimos suspiros do regime militar: "A TV Globo e o jornal O Globo, que foram os maiores alicerces para implantação da ditadura no Brasil, eram a única fatia a resistir aos apelos dos que queriam a volta da democracia". Humberto Mesquita trabalhou nas principais emissoras de rádio e televisão do Brasil. Foi repórter e apresentador de importantes programas de debate político, como o saudoso Pinga Fogo, da TV Tupi. Não por acaso, portanto, pelas páginas deste livro trafegam alguns dos principais personagens da história de resistência ao autoritarismo, a exemplo de Paulo Freire, Miguel Arraes, Leonel Brizola, Francisco Julião, Dom Helder Câmara e Dom Paulo Evaristo Arns, entre tantos outros. Há espaço também para momentos felizes, como o dia em que Gonzagão e Gonzaguinha, pai e filho rompidos há muito anos, fizeram finalmente as pazes, num reencontro, aliás, promovido pelo próprio Mesquita. Mas não há como negar que Coisas que eu vi é antes de tudo um livro sobre a tragédia brasileira, como reconhece o próprio autor: "Fazer jornalismo é fazer história. Mais de cinquenta anos percorremos essa estrada, e nesse percurso assistimos períodos de muita adversidade e períodos bons para o Brasil. Por incrível que possa parecer, as adversidades marcam mais, mexem mais e te ferem mais. Quando se fere a democracia, o povo é atingido e você se envolve no mesmo clima de tristeza, e ainda mais quando se é ator e narrador desses acontecimentos". Este livro é uma espécie de cápsula do tempo. Deixa-nos com a impressão de que se conhecêssemos de antemão os fatos que ele relata, se os principais personagens das páginas que se seguem tivessem lido e relido com atenção o seu conteúdo, teríamos talvez evitado que a história se repetisse, de novo como tragédia. Luiz Inácio Lula da Silva
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Humberto Mesquita
    • Tradutor(a)
    • Gênero Memórias
    • Editora Alameda Casa Editorial
    • Páginas 283
    • Ano 2020
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786586081114
    • Peso do arquivo 2.18MB