• Cravo Cor-De-Rosa

    Menyno da Lua

    Viseu

    Esta obra, "CRAVO COR-DE-ROSA", embora seja a primeira do autor, estrutura-se ora sob um olhar de austeridade sobre a vida, ora sob um lirismo desconfortante de um mundo subjetivo. Provido de ampla bagagem literária, o poeta age como uma abelha à procura de um néctar, mas diferentemente da melhor abelha, a pior, o poeta, coleta o néctar intragável e oferece o mel mais amargo para o melhor apicultor, o leitor. Alguns poucos polígonos de boa qualidade perdidos na obra é um mero acaso do destino. Nada premeditado. A composição deste símbolo mobilizante, descrito no parágrafo acima, por ser incisivo, mostra-nos uma produção cortante, arrefecedora, a qual disseca, a fundo, a quimera humana e mostra o titânio da lâmina usada como prova. Portanto, pela via da resistência, fica ao leitor a missão para desbravá-la, descansando, pois, nas poucas brumas perdidas nela. Sendo assim e tomando emprestado um fragmento do poema "O Degredo do Eu": "O Eu poeta, leitor, vive de segredo/Gosta, acredite, de lugares Inóspitos".
    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 64
    Peso do arquivo 0.32MB
    Ano da publicação 2021
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Esta obra, "CRAVO COR-DE-ROSA", embora seja a primeira do autor, estrutura-se ora sob um olhar de austeridade sobre a vida, ora sob um lirismo desconfortante de um mundo subjetivo. Provido de ampla bagagem literária, o poeta age como uma abelha à procura de um néctar, mas diferentemente da melhor abelha, a pior, o poeta, coleta o néctar intragável e oferece o mel mais amargo para o melhor apicultor, o leitor. Alguns poucos polígonos de boa qualidade perdidos na obra é um mero acaso do destino. Nada premeditado. A composição deste símbolo mobilizante, descrito no parágrafo acima, por ser incisivo, mostra-nos uma produção cortante, arrefecedora, a qual disseca, a fundo, a quimera humana e mostra o titânio da lâmina usada como prova. Portanto, pela via da resistência, fica ao leitor a missão para desbravá-la, descansando, pois, nas poucas brumas perdidas nela. Sendo assim e tomando emprestado um fragmento do poema "O Degredo do Eu": "O Eu poeta, leitor, vive de segredo/Gosta, acredite, de lugares Inóspitos".

    Ficha técnica

    • Autor(a) Menyno da Lua
    • Tradutor(a)
    • Gênero Poesia
    • Editora Viseu
    • Páginas 64
    • Ano 2021
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786559855193
    • Peso do arquivo 0.32MB