• Dignidade humana ecocêntrica: do antropocentrismo moderno à deep ecology contemporânea

    Paulo H. M. Sousa

    Editora Dialética

    "Destruir ou não destruir, eis a questão". Se a mítica dúvida de Shakespeare pudesse ser empregada à humanidade contemporânea, certamente passaria pelo dilema da relação entre pessoas e bens, sujeitos e objetos, entre o Antropocentrismo Clássico e a Deep Ecology. Se antes o progresso humano era conexo à degradação ambiental, como evidencia Michel Serrés, há quem defenda um radicalismo ecológico: "os homens são o vírus do planeta". O cinema, a literatura e mesmo a Filosofia e o Direito são distópicos e escancaram um possível mundo em que o amanhã talvez nunca chegue. Mais que necessário, urgente é repensar a relação da humanidade com a natureza, e isso exige reconstruir as bases que alicerçam nossa relação com o mundo. Uma dimensão diversa à dignidade humana, menos antropocêntrica e mais ecocêntrica, se impõe para que uma nova relação emerja. Com isso, é possível enxergar a ecologia como uma dimensão da dignidade humana; é possível ver uma faceta diferente da dignidade, a dignidade da vida em geral; é possível adotar um paradigma ecocêntrico. Possibilidades que se descortinam e que ressignificam as categorias jurídico-filosóficas fundamentais. Assim, forja-se um novo contrato, o contrato natural, em que a humanidade e a natureza atuam de maneira simbiótica e não parasitária. A dimensão ecológica da dignidade humana revisita essa mudança que vem ocorrendo paulatinamente na sociedade contemporânea.
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 156
    Peso do arquivo 3.33MB
    Ano da publicação 2021

    Sinopse

    "Destruir ou não destruir, eis a questão". Se a mítica dúvida de Shakespeare pudesse ser empregada à humanidade contemporânea, certamente passaria pelo dilema da relação entre pessoas e bens, sujeitos e objetos, entre o Antropocentrismo Clássico e a Deep Ecology. Se antes o progresso humano era conexo à degradação ambiental, como evidencia Michel Serrés, há quem defenda um radicalismo ecológico: "os homens são o vírus do planeta". O cinema, a literatura e mesmo a Filosofia e o Direito são distópicos e escancaram um possível mundo em que o amanhã talvez nunca chegue. Mais que necessário, urgente é repensar a relação da humanidade com a natureza, e isso exige reconstruir as bases que alicerçam nossa relação com o mundo. Uma dimensão diversa à dignidade humana, menos antropocêntrica e mais ecocêntrica, se impõe para que uma nova relação emerja. Com isso, é possível enxergar a ecologia como uma dimensão da dignidade humana; é possível ver uma faceta diferente da dignidade, a dignidade da vida em geral; é possível adotar um paradigma ecocêntrico. Possibilidades que se descortinam e que ressignificam as categorias jurídico-filosóficas fundamentais. Assim, forja-se um novo contrato, o contrato natural, em que a humanidade e a natureza atuam de maneira simbiótica e não parasitária. A dimensão ecológica da dignidade humana revisita essa mudança que vem ocorrendo paulatinamente na sociedade contemporânea.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Paulo H. M. Sousa
    • Tradutor(a)
    • Gênero Natureza e Ecologia
    • Editora Editora Dialética
    • Páginas 156
    • Ano 2021
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786559565030
    • Peso do arquivo 3.33MB