• Elogio à Solidão: Uma reflexão sobre estar sozinho em meio aos outros no mundo

    Stephen Batchelor

    Editora Gryphus

    Neste livro magnífico e original, Stephen Batchelor trata da solidão como uma prática, um modo de vida – assim como entendida por Buda e também por Montaigne –, em vez de analisá-la como um estado psicológico destacado. O autor reconhece o isolamento e a alienação como os lados sombrios e trágicos da solidão. Porém, entremeados em nossa condição mortal, eles são igualmente parte do que significa ser só, seja numa cela monástica, num estúdio de artista ou num casamento problemático. A solidão, assim como o amor, representa uma dimensão por demais complexa e primordial da vida humana para que possa ser capturada numa única definição. Esta obra não pretende "explicar" a solidão. Procura revelar sua dimensão e profundidade, contando histórias de seus praticantes. Segundo Batchelor, o livro é uma exploração multifacetada daquilo que sustentou a própria prática de solidão do autor durante os últimos quarenta anos: passar temporadas em lugares remotos, apreciar obras de arte e trabalhar com arte, praticar meditação e participar de retiros, tomar peyote e ayahuasca, além de treinar a sua mente para se manter aberta e questionadora, tudo isso contribuiu para sua capacidade de ficar só e à vontade comigo mesmo. Há mais na solidão do que simplesmente estar só. A verdadeira solidão é um modo de ser que necessita de cultivo. Não se pode ligá-lo ou desligá-lo à vontade. A solidão é uma arte. É necessário um treinamento mental para refiná-la e estabilizá-la. Ao praticar a solidão, você se dedica ao cuidado da alma. A noção de solidão, para aqueles que rejeitaram a religião em favor do humanismo secular, talvez sugira comodismo, ego- centrismo ou solipsismo. Inevitavelmente, algumas pessoas são atraídas pela solidão de modo a escapar de responsabilidades e evitar relacionamentos. Mas para muitas, ela proporciona tempo e espaço para desenvolverem a calma e a autonomia necessárias a um envolvimento eficaz e criativo com o mundo. Momentos de tranquila contemplação, seja diante de uma obra de arte ou ao observar a própria respiração, permitem que a pessoa repense o significado de sua vida e reflita sobre o que lhe é mais importante. A solidão não é um luxo para os poucos que dispõem de horas vagas. É uma dimensão inescapável de ser humano. Não importa se somos crentes devotos ou ateus devotos, na solidão confrontamos e exploramos as mesmas questões existenciais.
    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 194
    Peso do arquivo 0.79MB
    Ano da publicação 2022
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Neste livro magnífico e original, Stephen Batchelor trata da solidão como uma prática, um modo de vida – assim como entendida por Buda e também por Montaigne –, em vez de analisá-la como um estado psicológico destacado. O autor reconhece o isolamento e a alienação como os lados sombrios e trágicos da solidão. Porém, entremeados em nossa condição mortal, eles são igualmente parte do que significa ser só, seja numa cela monástica, num estúdio de artista ou num casamento problemático. A solidão, assim como o amor, representa uma dimensão por demais complexa e primordial da vida humana para que possa ser capturada numa única definição. Esta obra não pretende "explicar" a solidão. Procura revelar sua dimensão e profundidade, contando histórias de seus praticantes. Segundo Batchelor, o livro é uma exploração multifacetada daquilo que sustentou a própria prática de solidão do autor durante os últimos quarenta anos: passar temporadas em lugares remotos, apreciar obras de arte e trabalhar com arte, praticar meditação e participar de retiros, tomar peyote e ayahuasca, além de treinar a sua mente para se manter aberta e questionadora, tudo isso contribuiu para sua capacidade de ficar só e à vontade comigo mesmo. Há mais na solidão do que simplesmente estar só. A verdadeira solidão é um modo de ser que necessita de cultivo. Não se pode ligá-lo ou desligá-lo à vontade. A solidão é uma arte. É necessário um treinamento mental para refiná-la e estabilizá-la. Ao praticar a solidão, você se dedica ao cuidado da alma. A noção de solidão, para aqueles que rejeitaram a religião em favor do humanismo secular, talvez sugira comodismo, ego- centrismo ou solipsismo. Inevitavelmente, algumas pessoas são atraídas pela solidão de modo a escapar de responsabilidades e evitar relacionamentos. Mas para muitas, ela proporciona tempo e espaço para desenvolverem a calma e a autonomia necessárias a um envolvimento eficaz e criativo com o mundo. Momentos de tranquila contemplação, seja diante de uma obra de arte ou ao observar a própria respiração, permitem que a pessoa repense o significado de sua vida e reflita sobre o que lhe é mais importante. A solidão não é um luxo para os poucos que dispõem de horas vagas. É uma dimensão inescapável de ser humano. Não importa se somos crentes devotos ou ateus devotos, na solidão confrontamos e exploramos as mesmas questões existenciais.

    Ficha técnica

    • Autor(a) Stephen Batchelor
    • Tradutor(a)
    • Gênero Esoterismo
    • Editora Editora Gryphus
    • Páginas 194
    • Ano 2022
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786586061352
    • Peso do arquivo 0.79MB