• Em briga de marido e mulher não se mete a colher?: um estudo sobre violência de gênero em jornais do Maranhão

    Geysa Fernandes Ribeiro

    Editora Dialética

    Percebendo que os jornais impressos se configuram como tecnologias que constroem o gênero, analiso as notícias apresentadas no Jornal Pequeno e em O Estado do Maranhão nos anos de 2015 a 2017 sobre casos de violência entre casais heterossexuais que mantêm e/ou mantiveram relações afetivas/amorosas, como discursos que, associados a outras configurações de saber, classificam os/as sujeitos/as, distribuem suas posições sociais, regulam os gestos e limitam as relações, (re)produzindo as diferenças binárias que naturalizam a violência. Deste modo, apoiando-me na analítica foucaultiana que se centra na questão da produção social de discursos, objetivo, com esta obra, compreender as representações de gênero constituídas nas notícias sobre violência destacadas nos jornais impressos maranhenses, a fim de perceber quais discursos se tornam constantes em sua construção e como essa concepção é apresentada em cada periódico. Apoio minhas análises em autores/as que trabalham com a perspectiva pós-estruturalista como Jacques Derrida (1971), Judith Butler (2017) e Michel Foucault (2013) para problematizar formas generalizadas e essencialistas que impossibilitam entender a complexidade das relações sociais de gênero.
    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 189
    Peso do arquivo 8.27MB
    Ano da publicação 2022
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Percebendo que os jornais impressos se configuram como tecnologias que constroem o gênero, analiso as notícias apresentadas no Jornal Pequeno e em O Estado do Maranhão nos anos de 2015 a 2017 sobre casos de violência entre casais heterossexuais que mantêm e/ou mantiveram relações afetivas/amorosas, como discursos que, associados a outras configurações de saber, classificam os/as sujeitos/as, distribuem suas posições sociais, regulam os gestos e limitam as relações, (re)produzindo as diferenças binárias que naturalizam a violência. Deste modo, apoiando-me na analítica foucaultiana que se centra na questão da produção social de discursos, objetivo, com esta obra, compreender as representações de gênero constituídas nas notícias sobre violência destacadas nos jornais impressos maranhenses, a fim de perceber quais discursos se tornam constantes em sua construção e como essa concepção é apresentada em cada periódico. Apoio minhas análises em autores/as que trabalham com a perspectiva pós-estruturalista como Jacques Derrida (1971), Judith Butler (2017) e Michel Foucault (2013) para problematizar formas generalizadas e essencialistas que impossibilitam entender a complexidade das relações sociais de gênero.

    Ficha técnica

    • Autor(a) Geysa Fernandes Ribeiro
    • Tradutor(a)
    • Gênero Sociologia
    • Editora Editora Dialética
    • Páginas 189
    • Ano 2022
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786525222622
    • Peso do arquivo 8.27MB