• Há uma lápide com o seu nome

    Camilla Canuto

    Oficina Raquel

    Em seu romance de estreia, a escritora sergipana Camilla Canuto, de 26 anos, questiona o papel da mulher ao mesmo tempo que narra a rotina de uma família marcada pela incomunicabilidade. Uma série de eventos interconectados, que acontecem sem nem sempre nos darmos conta ou os termos escolhido inteiramente – assim pode ser o contínuo da vida, especialmente àqueles impedidos de viver em sua máxima potência, livremente. Assim é, ao menos, para Adelaide, uma mulher cotidianamente cerceada pelo marido e incompreendida pela filha, e uma das personagens centrais do livro Há uma lápide com o seu nome. "Pra isso serve a literatura: pra dar voz aos que se foram. Os livros de história estão cheios de mortos gloriosos ou terríveis. Dos defuntos comuns se ocupam os escritores. Camilla ressuscita, como na grande literatura, pequenas pessoas. E na pequeneza da personagem nos vemos, e nos redimimos. Como Emma Bovary e Anna Karenina, Adelaide viveu aquém dos romances. Não significa que não merecesse mais. Esse livro que você tem em mãos revela o que há de espetacular na vida comum e, como os clássicos oitocentistas, nos serve de alerta. Evocar os mortos, aqui, serve pra exaltar a vida. E mais do que isso: convidar a viver.", afirma Gregório Duvivier no texto de quarta capa.
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 108
    Peso do arquivo 3.09MB
    Ano da publicação 2021

    Sinopse

    Em seu romance de estreia, a escritora sergipana Camilla Canuto, de 26 anos, questiona o papel da mulher ao mesmo tempo que narra a rotina de uma família marcada pela incomunicabilidade. Uma série de eventos interconectados, que acontecem sem nem sempre nos darmos conta ou os termos escolhido inteiramente – assim pode ser o contínuo da vida, especialmente àqueles impedidos de viver em sua máxima potência, livremente. Assim é, ao menos, para Adelaide, uma mulher cotidianamente cerceada pelo marido e incompreendida pela filha, e uma das personagens centrais do livro Há uma lápide com o seu nome. "Pra isso serve a literatura: pra dar voz aos que se foram. Os livros de história estão cheios de mortos gloriosos ou terríveis. Dos defuntos comuns se ocupam os escritores. Camilla ressuscita, como na grande literatura, pequenas pessoas. E na pequeneza da personagem nos vemos, e nos redimimos. Como Emma Bovary e Anna Karenina, Adelaide viveu aquém dos romances. Não significa que não merecesse mais. Esse livro que você tem em mãos revela o que há de espetacular na vida comum e, como os clássicos oitocentistas, nos serve de alerta. Evocar os mortos, aqui, serve pra exaltar a vida. E mais do que isso: convidar a viver.", afirma Gregório Duvivier no texto de quarta capa.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Camilla Canuto
    • Tradutor(a)
    • Gênero Literatura Mundial
    • Editora Oficina Raquel
    • Páginas 108
    • Ano 2021
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786586280746
    • Peso do arquivo 3.09MB