• Imprensa operária e educação nos inícios do século XX: O jornal A Voz do Trabalhador

    Célia Maria Benedicto Giglio

    Alameda Casa Editorial

    A educação racional coloca-se no núcleo da afirmação utópica do anarquismo; acena como instrumento nas práticas de liberação da consciência. Utópica quanto à transformação radical da vida, instaurando a liberdade enquanto "construção eminentemente social". A educação libertária, tem em sua formulação mais teórica, as experiências desenvolvidas por Francisco Ferrer Y Guardia, tendo sido reconhecidas como o "coroamento prático de todo desenvolvimento teórico que se fez no seio do movimento libertário". Talvez, a perspectiva que mais se deva destacar nessa "pedagogia anarquista", seja o conceito de liberdade, encarada não como propõe a filosofia política burguesa, na qual a liberdade é um fato natural, cumprindo à sociedade organizar-se de modo a permitir a liberdade de todos através das leis. A liberdade para os anarquistas é um fato social, não faz parte do homem; deve ser construída pela comunidade. A educação e a instrução são fundamentais para a conquista dessa liberdade, assumindo a importante tarefa de "desalienação, de destruição da ideologia da dominação e de criação de uma nova mentalidade revolucionária". Supõe, portanto, a vivência de relações solidárias e de vivência autônoma. A escola deve ser "um centro onde seja disseminada a verdade e onde a ciência, construída por todos, deve ser igualmente distribuída entre todos". O conhecimento é instrumento de luta não só para a construção de uma outra ordem social, mas é também, e talvez principalmente, para resistir a uma ordem que objetivamente cada vez mais afasta as possibilidades de emancipação.
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 167
    Peso do arquivo 0.46MB
    Ano da publicação 2020

    Sinopse

    A educação racional coloca-se no núcleo da afirmação utópica do anarquismo; acena como instrumento nas práticas de liberação da consciência. Utópica quanto à transformação radical da vida, instaurando a liberdade enquanto "construção eminentemente social". A educação libertária, tem em sua formulação mais teórica, as experiências desenvolvidas por Francisco Ferrer Y Guardia, tendo sido reconhecidas como o "coroamento prático de todo desenvolvimento teórico que se fez no seio do movimento libertário". Talvez, a perspectiva que mais se deva destacar nessa "pedagogia anarquista", seja o conceito de liberdade, encarada não como propõe a filosofia política burguesa, na qual a liberdade é um fato natural, cumprindo à sociedade organizar-se de modo a permitir a liberdade de todos através das leis. A liberdade para os anarquistas é um fato social, não faz parte do homem; deve ser construída pela comunidade. A educação e a instrução são fundamentais para a conquista dessa liberdade, assumindo a importante tarefa de "desalienação, de destruição da ideologia da dominação e de criação de uma nova mentalidade revolucionária". Supõe, portanto, a vivência de relações solidárias e de vivência autônoma. A escola deve ser "um centro onde seja disseminada a verdade e onde a ciência, construída por todos, deve ser igualmente distribuída entre todos". O conhecimento é instrumento de luta não só para a construção de uma outra ordem social, mas é também, e talvez principalmente, para resistir a uma ordem que objetivamente cada vez mais afasta as possibilidades de emancipação.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Célia Maria Benedicto Giglio
    • Tradutor(a)
    • Gênero Historiografia
    • Editora Alameda Casa Editorial
    • Páginas 167
    • Ano 2020
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786586081725
    • Peso do arquivo 0.46MB