• Meditações

    Marco Aurélio

    Iluminuras

    "Na vida de um homem, sua duração é um ponto, sua essência um fluxo, seus sentidos um turbilhão, todo seu corpo algo pronto a apodrecer, sua alma inquietude, seu destino obscuro e a sua fama duvidosa. Em resumo, tudo o que é relativo ao corpo é como o fluxo de um rio, e quanto à alma, sonhos e fluidos; a vida é uma luta, uma breve estadia numa terra estranha e a reputação, esquecimento." Marco Aurélio As Meditações de Marco Aurélio são reflexões "para si mesmo", como o próprio título do original em grego indica. Imperador de 161 a 180 d.C., na fase áurea do Império Romano, Marco Aurélio é conhecido como o "imperador filósofo", que abraçou convictamente o estoicismo e tentou governar segundo seus preceitos. Contrário à futilidade da vida na corte (ele preferia a companhia de seus legionários nas muitas campanhas em que combateu), Marco Aurélio era de caráter introspectivo e vivia uma intensa vida interior. De cada acontecimento, de cada dia, de cada experiência ele procurava extrair uma lição. Assim nasceram as Meditações, um diário espiritual, papéis privados do imperador não destinados à publicação. Versam sobre a brevidade da vida, o fluxo incessante do tempo, a vacuidade da fama, a proximidade e a inevitabilidade da morte e a instabilidade das coisas humanas. Quando Marco Aurélio morreu, as Meditações foram recolhidas por seu amigo de infância, Vitorino, que as manteve escondidas. Desaparecidas por quase mil anos, seriam citadas somente nos séculos XII e XIII por gramáticos bizantinos. Finalmente, no século XVII elas foram compiladas pelo cardeal Barberini. Esta edição bilíngue resgata esses textos para o leitor de língua portuguesa.
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 136
    Peso do arquivo 0.99MB
    Ano da publicação 2020
    Tradutor(a) William Li

    Sinopse

    "Na vida de um homem, sua duração é um ponto, sua essência um fluxo, seus sentidos um turbilhão, todo seu corpo algo pronto a apodrecer, sua alma inquietude, seu destino obscuro e a sua fama duvidosa. Em resumo, tudo o que é relativo ao corpo é como o fluxo de um rio, e quanto à alma, sonhos e fluidos; a vida é uma luta, uma breve estadia numa terra estranha e a reputação, esquecimento." Marco Aurélio As Meditações de Marco Aurélio são reflexões "para si mesmo", como o próprio título do original em grego indica. Imperador de 161 a 180 d.C., na fase áurea do Império Romano, Marco Aurélio é conhecido como o "imperador filósofo", que abraçou convictamente o estoicismo e tentou governar segundo seus preceitos. Contrário à futilidade da vida na corte (ele preferia a companhia de seus legionários nas muitas campanhas em que combateu), Marco Aurélio era de caráter introspectivo e vivia uma intensa vida interior. De cada acontecimento, de cada dia, de cada experiência ele procurava extrair uma lição. Assim nasceram as Meditações, um diário espiritual, papéis privados do imperador não destinados à publicação. Versam sobre a brevidade da vida, o fluxo incessante do tempo, a vacuidade da fama, a proximidade e a inevitabilidade da morte e a instabilidade das coisas humanas. Quando Marco Aurélio morreu, as Meditações foram recolhidas por seu amigo de infância, Vitorino, que as manteve escondidas. Desaparecidas por quase mil anos, seriam citadas somente nos séculos XII e XIII por gramáticos bizantinos. Finalmente, no século XVII elas foram compiladas pelo cardeal Barberini. Esta edição bilíngue resgata esses textos para o leitor de língua portuguesa.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Marco Aurélio
    • Tradutor(a) William Li
    • Gênero Filosofia e Ética
    • Editora Iluminuras
    • Páginas 136
    • Ano 2020
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786555190694
    • Peso do arquivo 0.99MB