• Nuances da alma

    Jovelino Clemente

    Alameda Casa Editorial

    Em "Nuances da Alma", o meu inconsciente me levou a inventar uma história tão cheia de acontecimentos para ilustrar de maneira simples algumas questões apreendidas da minha leitura de "A República" a respeito da alma humana, o livro que marcou a minha vida. Mas confesso que, quando comecei a escrevê-lo, não pensei que os personagens e as suas venturas fossem me fazer mergulhar no universo platônico novamente. Para mim, o processo criativo se dá através de um modo bem psicanalítico: associo livremente de maneira despudorada. Depois de gestados, são eles, os personagens, que conduzem a trama, não os reprimo. Eles evoluem sempre tão independentes que, na maioria das vezes, me surpreendo com o rumo que resolveram seguir ao longo da história. Eu os solto na praia da minha imaginação e os deixo brincar à vontade, apenas os vigiando de longe, como um pai zeloso, para que não se afoguem nas ondas da incoerência. É prazeroso escrever dessa maneira porque não me sinto obrigado a obedecer a um roteiro previamente elaborado. O protagonista deste romance passa a residir em uma cidade fictícia no interior do Brasil, nos anos 1950, e, ao interagir com os habitantes de lá, sofre uma espécie de abalo sísmico interior. Os seus valores e princípios ficam completamente fragilizados, ao mesmo tempo que a sua sensibilidade se torna cada vez mais aguçada! O seu destino vai sendo traçado, e as mudanças da sua vida vão acontecendo rapidamente. Eu me solidarizei com os seus conflitos, me diverti com as suas peripécias, torci pela sua felicidade e chorei com as suas decepções. Enxerguei através dele o lado obscuro da alma humana e me apavorei! O personagem principal do meu livro vive escravo de sua alma mal administrada, mas consegue enxergar essa condição. E a libertação de si mesmo se dá a partir do autoconhecimento, pois ele percebe que está sendo governado interiormente por aspectos da sua personalidade que não estão adequados àquela função de poder! Não tenho a pretensão de fazer uma apologia dos ensinamentos de Platão como uma forma de autoajuda, mesmo porque acredito que as questões humanas ainda não foram totalmente especuladas e muito menos esclarecidas pela filosofia. Nenhuma teoria filosófica ou psicológica dá conta de explicar a diversidade e pluralidade da alma humana! Apenas encontrei uma maneira lúdica de tocar nesse assunto e analisei os personagens através desse viés. Mas, além dessa análise, esta história também poderá ser degustada como um simples entretenimento.
    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 336
    Peso do arquivo 2.72MB
    Ano da publicação 2019
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Em "Nuances da Alma", o meu inconsciente me levou a inventar uma história tão cheia de acontecimentos para ilustrar de maneira simples algumas questões apreendidas da minha leitura de "A República" a respeito da alma humana, o livro que marcou a minha vida. Mas confesso que, quando comecei a escrevê-lo, não pensei que os personagens e as suas venturas fossem me fazer mergulhar no universo platônico novamente. Para mim, o processo criativo se dá através de um modo bem psicanalítico: associo livremente de maneira despudorada. Depois de gestados, são eles, os personagens, que conduzem a trama, não os reprimo. Eles evoluem sempre tão independentes que, na maioria das vezes, me surpreendo com o rumo que resolveram seguir ao longo da história. Eu os solto na praia da minha imaginação e os deixo brincar à vontade, apenas os vigiando de longe, como um pai zeloso, para que não se afoguem nas ondas da incoerência. É prazeroso escrever dessa maneira porque não me sinto obrigado a obedecer a um roteiro previamente elaborado. O protagonista deste romance passa a residir em uma cidade fictícia no interior do Brasil, nos anos 1950, e, ao interagir com os habitantes de lá, sofre uma espécie de abalo sísmico interior. Os seus valores e princípios ficam completamente fragilizados, ao mesmo tempo que a sua sensibilidade se torna cada vez mais aguçada! O seu destino vai sendo traçado, e as mudanças da sua vida vão acontecendo rapidamente. Eu me solidarizei com os seus conflitos, me diverti com as suas peripécias, torci pela sua felicidade e chorei com as suas decepções. Enxerguei através dele o lado obscuro da alma humana e me apavorei! O personagem principal do meu livro vive escravo de sua alma mal administrada, mas consegue enxergar essa condição. E a libertação de si mesmo se dá a partir do autoconhecimento, pois ele percebe que está sendo governado interiormente por aspectos da sua personalidade que não estão adequados àquela função de poder! Não tenho a pretensão de fazer uma apologia dos ensinamentos de Platão como uma forma de autoajuda, mesmo porque acredito que as questões humanas ainda não foram totalmente especuladas e muito menos esclarecidas pela filosofia. Nenhuma teoria filosófica ou psicológica dá conta de explicar a diversidade e pluralidade da alma humana! Apenas encontrei uma maneira lúdica de tocar nesse assunto e analisei os personagens através desse viés. Mas, além dessa análise, esta história também poderá ser degustada como um simples entretenimento.

    Ficha técnica

    • Autor(a) Jovelino Clemente
    • Tradutor(a)
    • Gênero Literatura Mundial
    • Editora Alameda Casa Editorial
    • Páginas 336
    • Ano 2019
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9788579395963
    • Peso do arquivo 2.72MB