• Proust e a memória involuntária

    ESDRA MELLO

    Chiado Brasil

    Ao levar aos lábios uma colherada de chá, "no mesmo instante em que aquele gole, de envolta com as migalhas do bolo, tocou meu paladar, estremeci, atento ao que se passava de extraordinário em mim. Invadira-me um prazer delicioso, isolado, sem noção de sua causa. Esse prazer logo me tornara indiferente às vicissitudes da vida, inofensivos meus desastres, ilusória sua brevidade, tal como faz o amor, enchendo-se de uma preciosa essência: ou, antes, essa essência não estava em mim, era eu mesmo." O despertar da memória involuntária é uma viagem no tempo pela imaginação do artista, é um fluxo de representações ligadas a afetos e desejos desencadeados, como no episódio do chá, no qual "Combray e seus arredores, tudo isso que toma forma e solidez, saiu, cidade e jardins, de minha taça de chá." A prosa poética proustiana é tecida por uma complexa rede simbólica na qual a escrita de Proust obedece a um fluxo polissêmico por meio de metáforas e de analogias e pela circularidade estrutural do romance correspondente com a circularidade do tempo que remete para outras representações como expressão das significações imaginárias.
    Ler mais Ler menos
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 288
    Peso do arquivo 1.11MB
    Ano da publicação 2020
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Ao levar aos lábios uma colherada de chá, "no mesmo instante em que aquele gole, de envolta com as migalhas do bolo, tocou meu paladar, estremeci, atento ao que se passava de extraordinário em mim. Invadira-me um prazer delicioso, isolado, sem noção de sua causa. Esse prazer logo me tornara indiferente às vicissitudes da vida, inofensivos meus desastres, ilusória sua brevidade, tal como faz o amor, enchendo-se de uma preciosa essência: ou, antes, essa essência não estava em mim, era eu mesmo." O despertar da memória involuntária é uma viagem no tempo pela imaginação do artista, é um fluxo de representações ligadas a afetos e desejos desencadeados, como no episódio do chá, no qual "Combray e seus arredores, tudo isso que toma forma e solidez, saiu, cidade e jardins, de minha taça de chá." A prosa poética proustiana é tecida por uma complexa rede simbólica na qual a escrita de Proust obedece a um fluxo polissêmico por meio de metáforas e de analogias e pela circularidade estrutural do romance correspondente com a circularidade do tempo que remete para outras representações como expressão das significações imaginárias.

    Ficha técnica

    • Autor(a) ESDRA MELLO
    • Tradutor(a)
    • Gênero Literatura Mundial
    • Editora Chiado Brasil
    • Páginas 288
    • Ano 2020
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9789895296033
    • Peso do arquivo 1.11MB