• Realismo e Realidade na Literatura: um modo de ver o Brasil

    Tânia Pellegrini

    Alameda Casa Editorial

    Realismo, em literatura, é um conceito recorrente, múltiplo e muitas vezes contraditório. No Brasil, em que se convencionou chamar de realistas tanto o projeto literário de Machado de Assis quanto o seu contemporâneo naturalista, em que se destaca a obra de Aluísio Azevedo, a questão ganhou contornos também nacionais. Tânia Pellegrini retoma as discussões e tensões entre realidade e realismo de teóricos como Roland Barthes, Raymond Williams, Ian Watt, Gÿorgy Lukács, entre tantos outros, navega pela literatura brasileira do século XIX e faz esse debate ressurgir em diversos momentos do século XX – nos escritores da Geração de Trinta, na literatura produzida durante a ditadura militar, nos projetos novamente realistas dos anos 2000. Num país violento como o Brasil, o realismo literário cai como uma luva para a mão que afaga e apedreja. Assim, as violências da escravidão encontram seus ecos na exploração econômica da década de1930, na opressão explícita da ditadura militar e no cotidiano permanentemente massacrante expresso nas obras do século XXI. Da introdução do método que buscava a verossimilhança em Alencar, passando pelos já citados Machado e Aluísio, mas também por Graciliano Ramos, Jorge Amado e José Lins do Rego, Rubem Fonseca, Renato Tapajós, Tânia chega até a violência gratuita dos recentes Marçal Aquino e Marcelino Freire. Esta não é a primeira tentativa de se estabelecer as recorrências do realismo na literatura brasileira, mas é seguramente o estudo mais bem sucedido em discutir suas fundamentações teóricas, em discutir seus sucessos e fracassos e em explicar sua força, tanto social quanto literária. Haroldo Ceravolo Sereza
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 287
    Peso do arquivo 0.86MB
    Ano da publicação 2020
    Tradutor(a)

    Sinopse

    Realismo, em literatura, é um conceito recorrente, múltiplo e muitas vezes contraditório. No Brasil, em que se convencionou chamar de realistas tanto o projeto literário de Machado de Assis quanto o seu contemporâneo naturalista, em que se destaca a obra de Aluísio Azevedo, a questão ganhou contornos também nacionais. Tânia Pellegrini retoma as discussões e tensões entre realidade e realismo de teóricos como Roland Barthes, Raymond Williams, Ian Watt, Gÿorgy Lukács, entre tantos outros, navega pela literatura brasileira do século XIX e faz esse debate ressurgir em diversos momentos do século XX – nos escritores da Geração de Trinta, na literatura produzida durante a ditadura militar, nos projetos novamente realistas dos anos 2000. Num país violento como o Brasil, o realismo literário cai como uma luva para a mão que afaga e apedreja. Assim, as violências da escravidão encontram seus ecos na exploração econômica da década de1930, na opressão explícita da ditadura militar e no cotidiano permanentemente massacrante expresso nas obras do século XXI. Da introdução do método que buscava a verossimilhança em Alencar, passando pelos já citados Machado e Aluísio, mas também por Graciliano Ramos, Jorge Amado e José Lins do Rego, Rubem Fonseca, Renato Tapajós, Tânia chega até a violência gratuita dos recentes Marçal Aquino e Marcelino Freire. Esta não é a primeira tentativa de se estabelecer as recorrências do realismo na literatura brasileira, mas é seguramente o estudo mais bem sucedido em discutir suas fundamentações teóricas, em discutir seus sucessos e fracassos e em explicar sua força, tanto social quanto literária. Haroldo Ceravolo Sereza
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Tânia Pellegrini
    • Tradutor(a)
    • Gênero Teoria e Crítica Literária
    • Editora Alameda Casa Editorial
    • Páginas 287
    • Ano 2020
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9786586081374
    • Peso do arquivo 0.86MB