• Viola Crioula: Modinhas, lundus e mornas: um conceito de amor na literatura colonial brasileira e cabo-verdiana

    Fabiana Miraz de Freitas Grecco

    Editora Unesp

    O livro compara a morna, um gênero poético-musical de Cabo Verde, com a modinha e o lundu, que se firmaram no Brasil no transcorrer do século 18. O objetivo é delinear o percurso que teria sofrido a morna desde o seu primeiro registro, naquele século, discutindo os possíveis traços em comum entre ela e as cantigas populares brasileiras mencionadas e discutir até que ponto a morna seria o resultado da adaptação do lundu e da modinha brasileiros à sociedade mestiça de Cabo Verde.De acordo com a autora, que baseou parte de sua pesquisa em fontes cabo-verdianas como Vasco Martins, tal fato foi possível devido às relações estreitas entre as então colônias Brasil e Cabo Verde. Houve, além do tráfico de escravos, muito tráfico cultural. Este fez circular, entre outros artefatos culturais, diversos tipos de cantares que se difundiram e se enraizaram, passando a fazer parte da vida cotidiana de ambos os países.Citando Martins, a autora destaca que morna e modinha apresentam, em comum, muitos pontos musicológicos, como a harmonia, os acordes e a tonalidade menor e, principalmente, o sentimentalismo amoroso presente no texto poético. Já o lundu, música nascida na África e com origem no batuque, aportou em Cabo Verde vindo diretamente do Brasil, mas suas influências foram geograficamente mais abrangentes. Levado também para Portugal, o lundu, na modalidade "chorada", foi uma das fontes do surgimento do fado.
    Ler mais Ler menos
    Pré-venda
    Este livro será lançado em
    Oba, você já comprou esse livro! Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Você já possui este livro através da parceria Skeelo + {partner} Acesse o App e aproveite a leitura 😁
    Páginas 191
    Peso do arquivo 0.54MB
    Ano da publicação 2013

    Sinopse

    O livro compara a morna, um gênero poético-musical de Cabo Verde, com a modinha e o lundu, que se firmaram no Brasil no transcorrer do século 18. O objetivo é delinear o percurso que teria sofrido a morna desde o seu primeiro registro, naquele século, discutindo os possíveis traços em comum entre ela e as cantigas populares brasileiras mencionadas e discutir até que ponto a morna seria o resultado da adaptação do lundu e da modinha brasileiros à sociedade mestiça de Cabo Verde.De acordo com a autora, que baseou parte de sua pesquisa em fontes cabo-verdianas como Vasco Martins, tal fato foi possível devido às relações estreitas entre as então colônias Brasil e Cabo Verde. Houve, além do tráfico de escravos, muito tráfico cultural. Este fez circular, entre outros artefatos culturais, diversos tipos de cantares que se difundiram e se enraizaram, passando a fazer parte da vida cotidiana de ambos os países.Citando Martins, a autora destaca que morna e modinha apresentam, em comum, muitos pontos musicológicos, como a harmonia, os acordes e a tonalidade menor e, principalmente, o sentimentalismo amoroso presente no texto poético. Já o lundu, música nascida na África e com origem no batuque, aportou em Cabo Verde vindo diretamente do Brasil, mas suas influências foram geograficamente mais abrangentes. Levado também para Portugal, o lundu, na modalidade "chorada", foi uma das fontes do surgimento do fado.
    Ler mais Ler menos

    Ficha técnica

    • Autor(a) Fabiana Miraz de Freitas Grecco
    • Tradutor(a)
    • Gênero Música
    • Editora Editora Unesp
    • Páginas 191
    • Ano 2013
    • Edição
    • Idioma Português
    • ISBN 9788568334294
    • Peso do arquivo 0.54MB